buscar

Psicóloga investiga quando as crianças começam a se importar com a opinião dos outros

Desde muito cedo, as crianças, assim como os adultos, são sensíveis aos valores que atribuímos a objetos e comportamentos. São esses valores usados para guiar um comportamento, que passa para todos ao nosso redor. Estamos sempre mostramos aos outros, em particular aos filhos, o que é agradável, valioso e louvável, e o que não é, fazemos isso até sem perceber. Além do mais, o comportamento de um pessoa se reflete nas crenças, nos valores e nos desejos que ela tem.

Vida
7 meses atrás
Psicóloga investiga quando as crianças começam a se importar com a opinião dos outros

Tudo se refere no comportamento

Um ser humano possui duas características importantes em relação ao comportamento, a primeira é que temos consciência do que os outros valorizam, aprovam ou desaprovam, tais como não usar pijama no shopping, por exemplo. A segunda é que usamos essa informação para guiar nosso comportamento. Ao contrário de outras espécies, os seres humanos são propensos a adaptar o comportamento na presença dos outros para obter aprovação.

Com base em sua pesquisa sobre o desenvolvimento da primeira infância, a psicóloga Sara Valencia Botto investiga quando (e como) as crianças começam a mudar seu comportamento na presença de outras pessoa
Com base em sua pesquisa sobre o desenvolvimento da primeira infância, a psicóloga Sara Valencia Botto investiga quando (e como) as crianças começam a mudar seu comportamento na presença de outras pessoa

Querendo ou não, todos nós se preocupamos em como os outros nos avaliarão, apesar de ser um traço humano importante, ninguém ainda sabe ao certo quando e como passamos a nos importar com a opinião dos outros.

Para saber isso, a psicóloga Sara Valencia Botto passou os últimos quatro anos na Universidade Emory investigando como um bebê, que não tem problema em andar de macacão pelo mercado, transforma-se num adulto que teme falar em público por medo de ser julgado negativamente. E ela conta tudo isso em uma palestra TED, realizada em março de 2019.

A pesquisa de Sara Valencia

A psicóloga Sara Valencia começou investigando quando, no desenvolvimento, nos tornamos sensíveis às avaliações dos outros. E para isso, Sara desenvolveu junto com seu amigo Dr. Philippe Rochat um “jogo” chamado “The Robot Task”, onde um brinquedo de robô seria usado para captar quando as crianças modificam seu comportamento de modo estratégico quando os outros estão observando.

A primeira é que temos consciência do que os outros valorizam, aprovam ou desaprovam, tais como não usar pijama neste tipo de ambiente
A primeira é que temos consciência do que os outros valorizam, aprovam ou desaprovam, tais como não usar pijama neste tipo de ambiente

“Para fazer isso, mostramos a bebês de 14 a 24 meses como ativar um robô de brinquedo e, o mais importante, atribuímos um valor positivo, dizendo “Uau, que ótimo!” ou um valor negativo, dizendo “Uh, uh. Opa, ah, não”, depois de apertar o controle remoto. Após a demonstração do brinquedo, convidamos os bebês a brincarem com o controle remoto e depois os observamos ou nos viramos e fingimos ler uma revista.” Disse Sara Valencia

A partir disso, foram feito três variações do estudo. O primeiro estudo explorou como os bebês se envolviam com um brinquedo novo se não fossem fornecidos valores ou instruções. Só foi mostrado aos bebês como ativar o robô de brinquedo, não atribuíram nenhum valor, nem foi dito a eles que poderiam brincar com o controle. Nesse caso foi proporcionando-lhes uma situação muito ambígua.

No segundo estudo, foi incorporado dois valores: um positivo e um negativo. No estudo final, estavam presente duas pesquisadoras e um controle remoto. Uma delas manifestou um valor negativo sobre apertar o controle: “Eca, o brinquedo se mexeu”, enquanto a outra manifestou um valor positivo, dizendo: “Oba, o brinquedo se mexeu”.

Ao contrário de outras espécies, os seres humanos são propensos a adaptar o comportamento na presença dos outros para obter aprovação
Ao contrário de outras espécies, os seres humanos são propensos a adaptar o comportamento na presença dos outros para obter aprovação

Terceiro estudo: duas pesquisadoras, um controle. A pesquisadora que reagiu negativamente sobre apertar o controle ficava observando diretamente a criança e depois se virava. A pesquisadora que manifestou uma resposta positiva também não fica observando a criança.

A ideia era que, se até os 24 meses, as crianças são realmente sensíveis à avaliação dos outros, o comportamento de apertar o botão deveria ser influenciado não só pelo fato de estarem ou não sendo observadas, mas também pelos valores que a pesquisadora manifestava sobre apertar o controle remoto. Assim, por exemplo, esperava-se que as crianças brincassem um pouco mais com o controle positivo se estivessem sendo observadas, mas depois optassem pelo controle negativo quando ninguém estivesse observando.

O resultado

Com base nos dados da pesquisa, o comportamento de apertar os botões foi, de fato, influenciado pelos valores e pelas instruções da pesquisadora. No primeiro estudo, como as crianças não sabiam o que seria avaliado de modo positivo ou negativo, elas tomaram o caminho mais seguro e esperaram até que a pesquisadora virasse para apertar o controle.

As crianças do segundo estudo escolheram apertar o controle positivo um pouco mais quando estavam sendo observando, mas, quando não, elas pegavam imediatamente o controle negativo e começava a brincar com ele.

Já as crianças do terceiro estudo escolheram apertar um pouco mais um controle quando a pesquisadora que manifestou um valor positivo estava observando, ao contrário de quando ela manifestou um valor negativo.

Desde muito cedo, as crianças, assim como os adultos, são sensíveis aos valores que atribuímos a objetos e comportamentos
Desde muito cedo, as crianças, assim como os adultos, são sensíveis aos valores que atribuímos a objetos e comportamentos

Por último, em um estudo de controle, no qual foi retirado os diferentes valores dos controles remotos, o comportamento de apertar os botões não variava mais entre as situações, sugerindo que foram realmente os valores que foram concedidos aos dois controles remotos que guiaram o comportamento no estudo anterior.

Por volta dos 2 anos de idade, as crianças começam a demonstrar constrangimento em situações que podem provocar uma avaliação negativa, tais como olhar para si mesmo no espelho e notar uma mancha no nariz, que é equivalente ao adulto que percebe que tem salada nos dentes.
Os psicólogos têm estudado o nosso comportamento para explorar o conteúdo da mente, justamente porque nosso comportamento geralmente é guiado pelas preferências que os outros valorizam.

Pais e até os professores têm o privilégio de moldar o comportamento das crianças, por estarem em contato desde dos primeiros momentos de aprendizagem. Mas é importante saber que, pelos valores que todos nós transmitimos em interações simples do dia a dia, nos dar o poder de moldar o comportamento daqueles ao nosso redor.

“A pesquisa que compartilhei com vocês hoje sugere que essa habilidade surge muito cedo no desenvolvimento, antes mesmo de falarmos uma frase completa ou aprendermos a usar o toalete. E isso se torna parte integrante de quem nos tornaremos.” Completa a psicóloga Sara Valencia.

As emoções alteram o formato do seu coração
Não há quem não use o símbolo do coração para representar o amor hoje em dia,o chamado coração metafórico, e ao longo do tempo, as figuras passaram a ser pintadas de...
Não deixamos a dor pra trás, seguimos em frente com ela
O tempo todo, o dia todo, todos os dias, no mundo todo, coisas terríveis estão acontecendo, as pessoas sofrem perdas profundamente marcantes e traumáticas todos os dias, ou...
Melhore a função executiva do seu cérebro
A função executiva é uma importante área do cérebro responsável pelos processos cognitivos, incluindo memória de trabalho, raciocínio, flexibilidade de tarefas e...
O sono é um superpoder
Durante uma boa noite de sono, coisas maravilhosamente boas acontecem tanto no cérebro quanto no corpo, e ao contrário, coisas assustadoramente ruins acontecem quando não...
Como ficaremos em 100 anos
Diante de toda a evolução que tem acontecido até agora, como por exemplo a modificação de bactérias, plantas e animais, será que os humanos também poderão evoluir ainda...

O Fusne é um site para quem ama internet, nós somos especializados em testar apps e tudo mais que envolve tecnologia. O que você vai encontrar por aqui é escrito por humanos, que vivem fazendo compras online, assim como você, então entende as suas dificuldades e felicidades nessas horas. O material do Fusne é testado várias e várias vezes pela equipe...